A Máximos oferece os seguintes serviços na área de medicamentos:

- Comunicação à ANVISA referente à:

fabricação de Lotes-Piloto de Medicamentos;

à Terceirização das Etapas de Produção, Controle de Qualidade e Armazenagem de Medicamentos;

à fabricação, importação e comercialização dos medicamentos de notificação simplificada;

- Registro e alterações pós-registro de Medicamentos junto a Anvisa

Biológicos; Específicos; Fitoterapicos;

Dinamizados Industrializados Homeopáticos, Antroposóficos e Anti-homotóxicos;

Novos ou Inovadores; Genéricos e Similares;

- Implantação de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos;

- Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Indústria do Mercosul de: Semi-Sólidos, Injetáveis, Líquidos, Líquidos Estéreis e Semi-sólidos Estéreis;

- Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Indústria Internacional de Medicamentos: Injetáveis, Líquidos Estéreis, Líquidos, Semi-sólidos estéreis, Semi-Sólidos.

- Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Indústria Nacional de Medicamentos: Líquidos, Líquidos Estéreis, Pequeno Porte, Semi-Sólidos e Semi-sólidos estéreis.

- Curso de Boas Práticas de Fabricação em estabelecimentos fabricantes de MEDICAMENTOS Resolução RDC nº.210, de 04 de agosto de 2003;

Podemos ministrar este e outros cursos in company, levando seus colaboradores ao conhecimento prático das Boas Práticas e a terem motivação em seus processos. Entre na área de Treinamentos e saiba mais.

LINKS ANVISA:

Bulas de Medicamentos

Câmara Setorial

Câmaras Técnicas

Centros de Equivalência e Bioequivalência

Comissões

Conceitos, Glossário e Siglas

Específicos

Fitoterápicos

Homeopáticos

Inspeção

Legislação

Listas de Medicamentos

Notificação Simplificada

Pesquisa Clínica

Produtos Controlados

Propriedade Intelectual

Registro de Produtos

TIRE SUAS DÚVIDAS - Perguntas Freqüentes:

Disponível em: http://anvisa.gov.br/divulga/faq/index.asp#- acesso em 17/12/2008.

O que são vitaminas?

As vitaminas são um grupo de compostos orgânicos exigidos em quantidades mínimas na alimentação, porém essenciais para o crescimento normal e para a manutenção da saúde. Dentre as vitaminas podemos citar: A, C, D, E, K, H, ácido pantotênico, niacina, biotina, ácido fólico e as vitaminas do complexo B (B1, B2, B6 e B12).

É necessário tomar medicamentos a base de vitaminas?

As vitaminas e os minerais são parte vital de uma dieta saudável. Presentes em pequenas quantidades nos alimentos, uma dieta variada, somada ao controle das quantidades de gordura, açúcar e sal, normalmente é suficiente para suprir as necessidades diárias do organismo.

Os polivitamínicos e as vitaminas somente são indicados quando já há uma deficiência nutricional grave, que demoraria a ser tratada apenas com a alimentação; nesse caso, eles devem ser utilizados por tempo determinado, até a redução dos sintomas da deficiência.

Ex: Osteoporose e gravidez podem requerer medicamentos à base de vitamina D e ácido fólico, respectivamente.

Qual a diferença entre planta medicinal e fitoterápico?

As plantas medicinais são aquelas capazes de aliviar ou curar enfermidades e têm tradição de uso como remédio em uma população ou comunidade. Para usá-las, é preciso conhecer a planta e saber onde colher e como prepará-la.

Quando a planta medicinal é industrializada para se obter um medicamento, tem-se como resultado o fitoterápico. O processo de industrialização evita contaminações por microorganismos, agrotóxicos e substâncias estranhas, além de padronizar a quantidade e a forma certa que deve ser usada, permitindo uma maior segurança de uso.

Os fitoterápicos industrializados devem ser registrados no Anvisa/Ministério da Saúde antes de serem comercializados.

O que não é considerado fitoterápico?

Chá. No Brasil, os chás são enquadrados como alimentos.

Homeopatia. Os medicamentos homeopáticos são produzidos de forma diferente dos fitoterápicos, através de dinamização. Neste tipo de terapia, são também utilizados, além de princípios ativos de origem vegetal, outros de origem animal, mineral e sintética.

Partes de plantas medicinais. As plantas medicinais são consideradas matérias primas a partir do qual é produzido o fitoterápico. As plantas medicinais podem ser comercializadas no Brasil em farmácias e ervanarias, desde que não apresentem indicações terapêuticas definidas, seja feito um acondicionamento adequado e declarada sua classificação botânica.

As farmácias de manipulação podem produzir fitoterápicos?

Sim. As farmácias de manipulação têm permissão para manipular medicamentos e entre eles, os fitoterápicos, lembrando que os produtos dessas farmácias não são registrados na Anvisa. Um fitoterápico pode ser manipulado se for prescrito em uma receita ou se sua fórmula constar na Farmacopéia Brasileira, no Formulário Nacional ou em obras equivalentes.

Os fitoterápicos podem fazer mal à saúde?

Como qualquer medicamento, o mau uso de fitoterápicos pode ocasionar problemas à saúde, como por exemplo: alterações na pressão arterial, problemas no sistema nervoso central, fígado e rins, que podem levar a internações hospitalares e até mesmo a morte, dependendo da forma de uso.

Quais as precauções que devem ser tomadas em relação aos fitoterápicos?

Os cuidados são os mesmos destinados aos outros medicamentos:

* Buscar informações com os profissionais de saúde;

* Informar ao seu médico qualquer reação desagradável que aconteça enquanto estiver usando plantas medicinais ou fitoterápicos;

* Observar cuidados especiais com gestantes, mulheres amamentando, crianças e idosos;

* Informar ao seu médico se está utilizando plantas medicinais ou fitoterápicos, principalmente antes de cirurgias;

* Adquirir fitoterápicos apenas em farmácias e drogarias autorizadas pela Vigilância Sanitária;

* Seguir as orientações da bula e rotulagem;

* Observar a data de validade ? Nunca tomar medicamentos vencidos;

* Seguir corretamente os cuidados de armazenamento;

* Desconfiar de produtos que prometem curas milagrosas.

Há problemas em usar outros medicamentos junto com fitoterápicos?

Os fitoterápicos são medicamentos alopáticos, possuindo compostos químicos que podem interagir com outros medicamentos. As plantas medicinais também possuem compostos químicos ativos que podem promover este tipo de interação.

Deve-se ter cuidado ao associar medicamentos, ou medicamentos com plantas medicinais, o que pode promover a diminuição dos efeitos ou provocar reações indesejadas.

Um exemplo é o uso de Hipérico ( Hypericum perforatum ) junto a anticoncepcionais podendo levar à gravidez, outro é o uso de Ginco ( Ginkgo biloba ) junto a anticoagulantes, como warfarina ou ácido acetilsalisílico, podendo promover hemorragias.

Deve-se sempre observar as informações contidas nas bulas disponibilizadas nos medicamentos e questionar o seu médico ou profissional de saúde sobre possíveis interações.

Como saber se um fitoterápico é registrado na Anvisa/ Ministério da Saúde?

Verifique na embalagem o número de inscrição do medicamento no Ministério da Saúde. Deve haver a sigla MS, seguida de um número contendo de 9 a 13 dígitos, iniciado sempre por 1.

Há a possibilidade de consultar o registro do produtono site da Anvisa.

Ao encontrar um produto sendo vendido como fitoterápico que não tenha registro na Anvisa, você deve comunicar a Vigilância Sanitária de seu Estadoou Município, ou denunciar à Anvisa, mediante mensagem para o e-mail: gmefh@anvisa.gov.br.

O que é a Homeopatia?

A Homeopatia é uma especialidade farmacêutica, médica, odontológica e veterinária que foi fundada no início do século 19 pelo alemão Samuel Hahnemann. Ela ganhou popularidade no final do século. Entretanto, com o advento da medicina moderna, a homeopatia foi vista como velha pelos praticantes da medicina convencional e a sua popularidade caiu. Essa tendência foi revertida recentemente e desde 1980, a homeopatia voltou a crescer em vários países.

A Homeopatia baseia-se no princípio Semelhante cura semelhante . Isso significa que uma pessoa doente pode ser curada por um medicamento que é capaz de produzir sintomas parecidos em uma pessoa sadia. Em um tratamento homeopático, o clínico deve observar cuidadosamente e considerar cada paciente como único.

Para a homeopatia as doenças são geradas pelo desequilíbrio das forças do organismo. Portanto, o clínico homeopata não investiga somente sintomas isolados, mas considera o paciente como um todo, corpo e mente. Assim, a homeopatia trata o doente e não a doença.

Quais as diferenças entre o tratamento homeopático e alopático (comum ou tradicional)?

O tratamento alopático busca, por meio de medicamentos de ação química, eliminar os sintomas e manifestações da doença através do chamado Princípio dos Contrários. Por exemplo: uso de laxantes na prisão de ventre. Essa anulação dos sintomas normalmente não combate a origem e as causas da doença. Na maioria dos casos, há grande alívio, mas apenas durante o tratamento.

Ao contrário, o tratamento homeopático não busca eliminar apenas os sintomas e sim estimular o organismo a se fortalecer. Logo, o tratamento homeopático é eficaz para curar o doente e não apenas aliviá-lo.

Qual é a diferença entre fitoterapia e homeopatia?

A fitoterapia utiliza exclusivamente princípios ativos de plantas medicinais. Já a homeopatia, além dos princípios ativos de origem vegetal, utiliza outros de origem mineral e animal, sendo todos submetidos a uma técnica de preparo própria, a "dinamização".

Qual o papel da Anvisa com relação aos medicamentos homeopáticos?

A Anvisa cria regras para a manipulação em farmácias, industrialização e venda desses medicamentos, de modo a garantir sua qualidade.

Como saber se o medicamento que estou comprando tem sua venda autorizada pela Anvisa?

O medicamento homeopático industrializado pode encontrado em farmácias e drogarias. Deve apresentar na embalagem a sigla MS seguida de oito a treze números (inicia sempre com o número um). Quando o medicamento é preparado em farmácia homeopática não possui esse número na embalagem.

Também é possível entrar em contato com a Anvisa pelo e-mail: gmefh@anvisa.gov.brou pelo telefone: 08006440644.



Copyright ©2017
Grafus...